• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Série filatélica assinala os 130 anos da primeira edição de Os Maias

24/07/2018 15:42

Uma série filatélica de celebração dos 130 anos da primeira edição do romance “Os Maias”, de José Maria Eça de Queirós, é emitida na quarta-feira, anunciaram hoje os CTT-Correios de Portugal.

A série é composta por seis selos e um bloco filatélico, com ilustrações de Luiz Duran, que retratam as principais personagens da obra de Eça de Queirós, que os CTT apontam como “um dos livros mais marcantes da literatura portuguesa”.

Cada um dos selos, num formato 30,6x40 milímetros, tem um valor facial de 0,53 euros e uma tiragem de 125 mil exemplares. O design ficou a cargo do AF Atelier.

Carlos da Maia, Maria Eduarda, Afonso da Maia, Dâmaso Salcede, a Condessa de Gouvarinho e João da Ega são as personagens retratadas na emissão filatélica, que conta ainda com uma ilustração do próprio Eça de Queirós, no bloco filatélico.

Além de diplomata e escritor, Eça de Queiroz experimentou a ilustração, como revelou Irene Fialho, da Universidade de Coimbra, na sua obra “Eça de Queiroz em Casa - Desenhos e Textos Inéditos”.

Esta obra, publicada em 2016, resgatou autocaricaturas, retratos de perfil e o desenho de um diabo nu, todos assinados por Eça. Numa das autocaricaturas, Eça personifica-se como uma cegonha e, noutra, carrega uma cruz antropomórfica para Bristol, em Inglaterra, na qual colocou a seguinte legenda: Jesus Maria levando a cruz para o consulado.

Eça de Queiroz foi nomeado cônsul de Portugal em Bristol em julho de 1878.

O romance “Os Maias” foi publicado em dois volumes, em 1888, pela portuense Livraria Chardron e, na época, não alcançou grande êxito comercial, ao contrário de outros títulos do autor, ao que não terá sido alheio o tom crítico usado sobre a sociedade portuguesa.

A catedrática de Literatura Portuguesa Isabel Pires de Lima, especialista em Eça de Queirós, assina o texto que acompanha a pagela desta emissão dos CTT e, sobre “Os Maias”, escreve: “Clássico é um livro que nunca se deixa interpretar definitivamente. Mantém-se ao longo dos tempos uma obra aberta, desafiando novos leitores e novas leituras. Assim é o romance ‘Os Maias’, de Eça de Queirós, 130 anos depois da sua publicação, em 1888: um clássico da nossa modernidade literária que nos agarra”.

As obliterações de primeiro dia serão feitas nas lojas dos CTT dos Restauradores, em Lisboa, Município, no Porto, Zarco, no Funchal, e Antero de Quental, em Ponta Delgada, segundo a mesma fonte.