• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Katia Guerreiro apresenta sexta-feira o seu novo álbum Sempre

16/10/2018 14:57

A fadista Katia Guerreiro apresenta, sexta-feira à noite, em Carnaxide, nos arredores de Lisboa, o seu mais recente álbum, “Sempre”, cujo ponto de partida foram as melodias tradicionais de fado, como afirmou à agência Lusa.

Katia Guerreiro, em declarações à Lusa, afirmou que “o vastíssimo repertório tradicional [de melodias de fado] foi o ponto de partida para a construção deste disco”, que é produzido por José Mário Branco, que tem trabalhado quase em exclusivo com o fadista Camané, desde o álbum “Uma Noite de fados” (1995).

Referindo-se ao produtor José Mário Branco - com quem Katia Guerreiro só tinha trabalhado anteriormente no filme “Alfama em Si”, de Diogo Varela, que aguarda data de estreia -, a fadista qualificou a experiência como “excecional” e acrescentou: “Além da experiência profissional foi a pessoal, porque nada fazia prever que o José Mário [Branco], a Manuela de Freitas, eu e os músicos, conseguíssemos ter uma empatia tão grande a nível pessoal, creio que estamos ligados para a vida com este trabalho”.

O processo de construção do álbum começou pela permuta poética entre a fadista, José Mário Branco e a poetisa e atriz Manuela de Freitas, “uma prova cega, sem conhecer os autores”, somando-se a esta equipa o guitarrista Pedro de Castro, “que tem um acervo na memória de repertório tradicional extraordinário”.

De “30 e tal poemas escolhidos” chegou-se ao alinhamento final de 15 temas, sendo o que abre o CD, em maneira de “prólogo”, “A Minha Vida É”, da autoria de Katia Guerreiro, que volta a ser interpretado no fecho, como “epílogo”.

“Um CD longo, que não se faz atualmente”, reconheceu a fadista, tendo sido acompanhada pelos músicos Pedro de Castro e Luís Guerreiro, na guitarra portuguesa, José Mário Veiga e André Ramos, na viola, e Francisco Gaspar, na viola baixo. Os mesmos músicos que a acompanham no palco do Auditório Ruy de Carvalho, em Carnaxide, no concelho de Oeiras, a partir das 22:00 da próxima sexta-feira.

Entre os temas escolhidos Katia Guerreiro gravou “Tristeza Velha”, de Maria Luísa Baptista (1947-2017), uma poetisa que acompanha desde o primeiro álbum, e que à Lusa Katia Guerreiro afirmou que continuará a cantar poemas seus. “Tristeza Velha” é interpretada na melodia tradicional do Fado Menor.

A fadista gravou outras melodias tradicionais, designadamente o Fado Mouraria, para um poema de António Calém, “Deixar-te um Dia”, o Fado Freira, de Miguel Ramos, na interpretação de um poema de Manuela de Freitas, “Na Volta”, o Fado Carriche, de Raul Ferrão, para um poema de Natália dos Anjos, “Rezando Pedi por Ti”, uma criação da sua autora.

Para a fadista, distinguida com o Prémio Amália Melhor Intérprete, em 2010, trabalhar com José Mário Branco “foi muito tranquilizante”, e enalteceu os méritos de músico e produtor, que tem “uma visão global e abrangente da música”, homem experimentado em vários domínios musicais da canção de protesto às marchas, rock, peças clássicas e fado.

“Não estive preocupada com o efeito que as coisas tinham, ou seja, a única coisa que eu tinha de fazer era cantar, sem me preocupar em demonstrar as minhas qualidades vocais, foi muito isso que o José Mário [Branco] procurou em mim, que eu ganhasse essa maturidade em saber que não era preciso qualquer tipo de histrionismo ou exibicionismo vocal para que as pessoas entendam aquilo que somos capazes de fazer, e foi exatamente isso que tentámos alcançar neste disco: a serenidade”, afirmou.

José Mário Branco “cedeu”, por insistência de Manuela de Freitas, e partilha a interpretação de “Quem Diria”, assinado por José Rebola, dos Anaquim. “Um tema que ilustra um pouco o que nos aconteceu”, disse a fadista acrescentando que tinha vontade de convidar o músico “há muito tempo”, já na altura do anterior CD, “Até ao Fim”, saído há quatro anos.

“Achava que ele era a pessoa certa, mas achei que não ia aceitar, e visto de fora até parecíamos personalidades antagónicas”, rematou.