• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Grupo armado rouba e incendeia aldeia remota no norte de Moçambique

04/11/2018 09:42

Um grupo armado saqueou e incendiou na última noite uma aldeia remota do distrito de Macomia, no norte de Moçambique, sem provocar vítimas, disse à Lusa fonte das autoridades locais.

O grupo desconhecido entrou a disparar armas de fogo, deitou fogo a 45 casas, uma escola e uma mesquita e roubou animais e bens alimentares de barracas de comércio na aldeia Unidade, pertencente ao posto administrativo de Quiterajo, junto à costa, detalhou.

A aldeia fica nas imediações de outras povoações que têm sido alvo de ataques ao longo do último ano na zona litoral do nordeste da província de Cabo Delgado, no meio do mato e só acessíveis através de caminhos em terra batida.

A população começou a abandonar as habitações na tarde de sábado depois de terem notado a presença de pessoas estranhas perto da aldeia, referiu a mesma fonte.

Não se sabe quem eram os atacantes, nem quantas pessoas estavam no grupo.

O ataque da última noite acontece numa altura em que residentes em Mocímboa da Praia, distrito a norte de Macomia, têm relatado a partida de 12 mulheres da vila para parte incerta, nos últimos dias de outubro, carregando mantimentos - levantando suspeitas de que possam estar ligadas a grupos escondidos nas matas.

Há um mês que não havia registo de violência nem confrontos naquela zona de Moçambique - dois mil quilómetros a norte da capital, Maputo, e junto à Tanzânia -, na sequência dos ataques despoletados há um ano e que, segundo as estimativas do Governo moçambicano, já terão provocado cerca de cem mortos, entre civis, militares e agressores.

A violência cresceu após um ataque à vila de Mocímboa da Praia, em outubro de 2017, por um grupo baseado numa mesquita local que pregava a insurgência contra o Estado e cujos hábitos motivavam atritos com os residentes, pelo menos, desde há dois anos.

O mesmo tipo de conflito e recrutamento, promovido com o apoio de muçulmanos estrangeiros, foi relatado noutras mesquitas da região no mesmo período.

Analistas ouvidos pela Lusa têm se dividido entre os que dizem haver ligações estrangeiras a crime organizado - rotas de tráfico de heroína, rubis, marfim e outros produtos que passam por Cabo Delgado -, terrorismo ou outras razões.

Entre outras causas apontam uma revolta popular face à pobreza, antigas disputas de território entre etnias ou ainda manipulação política, visando destabilizar Moçambique, numa altura em que petrolíferas investem em gás natural, em Cabo Delgado.

Os ataques têm ocorrido sempre longe do asfalto (com exceção do ataque inicial a Mocímboa da Praia) e fora da zona de implantação da fábrica e outras infraestruturas das empresas petrolíferas que vão explorar gás natural, na península de Afungi, distrito de Palma.

As autoridades moçambicanas e tanzanianas têm anunciado desde final de 2017 a detenção de suspeitos de ligação a esta onda de violência e está a decorrer em Pemba, capital provincial de Cabo Delgado, um julgamento com 200 arguidos.

Cinco crimes pesam sobre eles: homicídio qualificado, posse de armas proibidas, associação para delinquir contra a organização do Estado, instigação ou provocação à desobediência coletiva e perturbação da ordem e tranquilidade pública.

Entre os acusados, a maior parte é moçambicana, havendo ainda tanzanianos, somalis e cidadãos naturais do Burundi e República Democrática do Congo, disse à Lusa fonte ligada ao processo - segundo a qual há 42 mulheres a ser julgadas.